segunda-feira, 2 de abril de 2018

Bonjour, ma rose!

Bonjour pra quem gosta de cor-de-rosa!

Feliz domingo de Páscoa :)
Tem chocolate pra semana toda, que a família não esquece da gente ^-^


T-Shirt Carmelina
Saia Asos from England
Faixa na cintura. 
Sapatilha CS. 

domingo, 1 de abril de 2018

Cantão do meu coração


Aqui nem é metáfora: o macaquinho (com ar de vestidinho) é vermelho, cor de coração.
A notícia chatinha é que a Cantão Bauru fechou :(
Sinal de que todo o mercado de moda precisa repensar a sustentabilidade. (não seria o caso de praticar preço mais justo e fazer mais vendas? Só uma ideia)


Teve flor de bodas de casamento por esses dias*. 13 anos. No Brasil, bodas de linho ou renda. Na França, bodas de Muguet, nome de uma florzinha meiga europeia, também chamada lírio-do-vale, símbolo de felicidade, também ofertada aos amigos no mês de Maio.
*(leia-se fevereiro, postagem estava em rascunho e o tempo voou)

Macaquinho Cantão
Sapatilha Carmen Steffens

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Trocar de bolsa no dia a dia, na correria...

Já que eu tive o trabalho de passar tudo da bolsa preta para a bolsa onça, aí vai mais um registro.



É fashion trocar de bolsa cotidianamente, combinando com o todo, certo?
Fashion é, mas não é nem um pouco prático.
Mais uma coisa para encaixar na rotina (além de estudar francês, fazer alongamento etc.).
Até já ouvi uma dica legal: ter um "saquinho" com os pertences para trocar o "miolo" da bolsa, e não cada pecinha em si. Mas... para mim não funciona bem, porque prefiro arrumar as coisas em bolsos internos das bolsas, e não deixar tudo jogado em um saco, sabe. Gosto de porta-celular, bolsinho e afins. Aí, nesse troca-troca, já pensou esquecer algo importante, como o documento do carro ou o remedinho bem no dia da cólica? Ça ne vas pas...

RESUMINDO: prefiro modelos clássicos no dia a dia e troco quando dá tempo (não vou deixar de preparar a aula ou concluir a pesquisa para trocar a bolsa). Quando possível, viabilizo uma troca para mim. Especialmente em ocasiões especiais, que pedem bolsinha de mão.

FALANDO NISSO, é fácil perceber que não preciso de tantas bolsas assim. Preciso de algumas boas. Se tiver muitas, nem dá tempo de usar. MANTRA DA VIDA: possua aquilo que vai usufruir e fazer feliz (economia em bolsas = parte da próxima viagem). Da mesma forma que meu sobrinho fofo precisa aprender a brincar com os brinquedos que já tem (em vez de querer sempre mais, o que, no fim, nunca satisfaz), estou em momento de brincar com as que tenho.

Então, babys, não adianta dizer que pode dividir em 3 parcelas (aquele jeitinho de deseducar: ponha seu DESEJO na frente do orçamento que tem para o mês). Não é o caso. É ESCOLHA, compreendeu? Ah, só explicando, dizer "que pode dividir" não é em si deselegante, torna-se deselegante quando vem como resposta à frase "Obrigada, não vou levar", ou seja, quando se torna um pseudo-julgamento do porquê você não vai consumir (carinha de olho virado).

Mas... se você, que por ventura leu até aqui, não tem erro com o troca-troca (não se dispersa, não perde tempo, não perde a chave), vai que é tua, Tafarela!! Isso é só um ponto de vista pessoal, tentando mostrar que essa coisa do "tem que ter", "tem que fazer", "faz assim, faz assado, usa o saquinho" não serve pra todo mundo. Se pra você sobrou um tempo, tudo bem, às vezes para mim também rola.

Nada, porém, que me dê tanto prazer quanto ler um textão em francês (é, deu pra perceber que não sou muito parâmetro, né?! Tento não ser impositiva em nada, pois acredito que o SEU CORAÇÃO é que tem a melhor receita para seu estilo).

(aliás, se passou por aqui, não quer deixar um relato de sua experiência com bolsas nos comentários?)

Au revoir!!!

PS: acho dourado uma cor linda, mas não tão linda em mim. Todavia, como toda regra não é fechada, me abro exceção.

Blusa Espaço Fashion
Short Carmelina
Sapatilha e bolsa Carmen Steffens

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Pretinho eterno

Look elaborado a partir do meu vestido pretinho básico, eterno, lindo, lindo de viver que usei nas minhas formaturas (Letras e Jornalismo), por baixo da beca. Não troco, não dou, não vendo, não empresto.


Mais uma vez, o estilo se moldando na configuração entre peças antigas, sempre clássicas, e toques de atualidade. Tudo depende da conservação que você faz de seus pertences, ok?
À noite, jantarzinho com mon amour:



Em outra montagem, o mesmo vestidinho com casaqueto lindo, lindo que trouxe de Paris:


Sobre o vestido, eis aqui uma bela recordação, com meu pai, no dia da minha coleção em Jornalismo. Esta foto foi encontrada por meu marido Ronaldo, em álbum físico, tirada pelo pai dele, meu sogro, que gostava de fazer cliques espontâneos. Bela recordação, portanto, de nossos pais, hoje vivos em nossos corações. Beca na mão, cerimônia terminada, o registro de um momento especial.

Ah, meus vinte anos! :) 


Vestido preto social clássico. 
Casaquinho cru Maria Filó para C&A.
Casaquinho laranja Sandro Paris.
Bolsa e sapatilha Carmen Steffens. 

sábado, 27 de janeiro de 2018

Três looks de trabalho


Meu trabalho não tem um dress code específico, o que me possibilita uma boa aproximação entre o "estilo pessoal" e o que uso para trabalhar. De qualquer forma, todo ambiente profissional pede uma dose de discrição e bom-senso - sem necessidade de dispensar o lado FASHION e o MIX de possibilidades.
Sou professora-pesquisadora (trabalho parte em sala de aula, parte em escritório ou participando de reuniões, por exemplo). Nas aulas, movimento-me bastante, então preciso estar relativamente confortável. Aboli o salto, o que me deixa mais ágil para circular entre um ambiente e outro e apta a dirigir.
Como os dias são corridos, recorro bastante aos coringas (calça/saia + T-shirt ou camisa), valorizando o toque pessoal nos detalhes, desde a escolha da estampa da T até a possibilidade de incrementar com algum acessório.
As últimas semanas foram de banca de apresentação de trabalhos finais dos alunos (uma delas, inclusive, versou sobre assuntos de moda e cultura), deixando-me um pouco mais vaidosa na alegria de participar desse momento especial com os alunos.
A não-troca de bolsa é sintoma de duas questões. A primeira advém da pouca relevância ao consumismo. A segunda, da falta de tempo para fazer a troca. Muitos trabalhos para ler e avaliar, o que sempre será minha prioridade. Driblando o tempo, sempre que eu puder, cuidar do ESTILO é um prazer. E, conforme mencionado na interessante discussão de uma das bancas, não abraço a ideia (para mim, falaciosa) de que um estilo desleixado corresponde a uma imagem intelectual. Em minha sincera opinião, tal imagem se compõe por meio de estudo, dedicação, responsabilidade e trabalho - sendo assim não somente uma imagem, mas um reflexo de atitudes. E cuidado é importante em TUDO na vida: com a saúde, o corpo, a mente, o bem-estar e também o estilo, que dialoga com a autoestima.

Com a T-shirt "mon amour"

Este último foi meu queridinho da semana, combinando a T-shirt de dizeres franceses com uma saia rodada, até o joelho. Nos outros dois, variações com a mesma saia, um pouco mais curta, bacana com meia-calça quando não está tão calor quanto em janeiro. O casaqueto-quimono e a camisa leve contemplam o ar condicionado.  

Look 1: T-shirt Carmelina, saia Mercearia, sandália e bolsa CS. 
Look 2: Saia Lucy in the Sky, blusa M.Officer, quimono Dress To, Melissa e bolsa CS.
Look 3: Saia Lucy in the Sky, camisa Loox, sandália Via Uno, bolsa CS.


segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Look do sábado 20 (e a eterna bolsa preta)

Ano de reinventar com o que tenho!
Encontrei na gaveta essa blusinha sempre-fashion, adoro o "rosto" que ela tem! É cavada, então uso com top por baixo (no caso, um preto rendado).
E aí estamos para almoçar num sábado quente.



Tudo peça "eterna" do armário. A sandália, presente de Natal da Mamys.
A bolsa preta tem história! E põe história nisso: passou 6 meses comigo na França. É perfeita e durável. Trabalha comigo quase todo santo dia, é a mais usada desde a sua compra (relembre aqui), o que chamo de aquisição útil (diferente da azul da mesma marca, que teve pouca vida útil - conto depois)
Eu gostaria de trocar de bolsas mais vezes, mas mal dá tempo de pensar no que vestir - a gente precisa parar de criar uma pseudo-realidade em que as mulheres têm tempo de serem excelentes profissionais e estarem sempre com os looks e unhas perfeitos e variados, SEM REPETIR!!!!
Dito isso, se eu pudesse, estaria sempre com looks pensados e unhas arrumadinhas. Se eu pudesse. O jeito é tentar equilibrar, ponderar prioridades. Mas também não abandonar a vaidade.
E, sabe, uma das coisas que me estimulou a voltar a blogar aqui - sutilmente e sem estardalhaço - é que percebi que o registro das ideias me ajuda a lembrar formas de usar as peças no dia a dia.
E porque também TENHO DIREITO de fazer algo DIVERTIDO e que me descansa a cabeça da produção acadêmica. E porque, enquanto o faço, também ESTUDO sobre estilo, e sou feliz estudando e aprendendo.

Blusa Zoomp
Top Puket
Saia Lucy in the Sky
Sandália Anacapri
Bolsa Carmen Steffens

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Tons de delicadeza

Look para o chá de bebê da Louise (com esse nome francês, já conquistou o coração da titia), irmãzinha da boneca Laira, filhinhas da querida Natalye.
A chuva de amor para a baby trouxe uma chuvinha para o quente janeiro, aproveitei para usar um casaqueto que eu adoro! Manguinhas e casaquinhos deixam o look charmoso (mas, no verãozão, tenho recorrido muito à regata praiana, é o jeito, oh!).
A palheta cru/caramelo (que também figura no look anterior) é um clássico que me cativa :)
Peças do armário que podem ganhar novas roupagens.


T-shirt Forever 21
Short Carmelina
Casaquinho Maria Filó para C&A
Bolsa e sapato Carmen Steffens
Óculos Dolce & Gabbana